[ editar artigo]

Como melhorar a alimentação das crianças?

Como melhorar a alimentação das crianças?

Enquanto pais, essa pergunta parece andar sempre por perto: como melhorar a alimentação das crianças?

No dia a dia do consultório do nutricionista, uma queixa muito comum é em relação à alimentação das crianças, a famosa frase: “Ah! Meu filho não come, o que fazer?”. No entanto, verdade seja dita: a criança acaba se alimentando de alguma coisa que tem em casa. 

E é justamente aí que nos damos conta dos hábitos, preferências e história de vida dos integrantes da família ou dos atuais cuidadores, entendendo quais foram as relações criadas com os alimentos, que os moldaram desde crianças.

 

Então como podemos melhorar a alimentação das crianças de uma forma simples, rápida e efetiva?

Uma técnica que gosto muito é a chamada “Divisão de Responsabilidade”, criada pela nutricionista norte americana Ellyn Satter.

Nessa abordagem, tanto os pais quanto os filhos são responsáveis pela alimentação, mas cada um tem responsabilidades diferentes.

Nosso papel, enquanto pais ou cuidadores, é de escolher:

  • o que será servido nas refeições (ou seja, os alimentos que iremos oferecer em cada refeição, o que será comprado no mercado e no hortifruti – somos responsáveis pela escolha dos alimentos);
  • quando os alimentos serão servidos (quantas refeições existem no nosso dia-a-dia alimentar e em quais horários faremos essas refeições);
  • onde serão servidos (tem a ver com os locais onde as refeições serão realmente realizadas, por exemplo: Faremos as nossas refeições sempre na mesa de jantar? Ou os lanches podem ser feitos na cozinha? As crianças podem comer no quarto?)

Já as crianças assumem outras responsabilidades, que são escolher:

  • se irão comer e o que irão comer, dentre as possibilidades que lhes foram oferecidas (por isso é importante a nossa primeira responsabilidade citada acima, de escolher o que será servido);
  • qual é a quantidade que irão comer, dentre as opções disponíveis.

 

E por que isso é capaz de melhorar a alimentação das crianças?

 

Porque a partir da divisão de responsabilidades, as crianças têm liberdade para exercitarem sua capacidade de autorregulação – um sinal interno que avisa a ela se está (ou não) com fome ou satisfeita.

Essa estratégia costuma funcionar bem para crianças de uma forma geral, mas é sempre importante observar seu filho e avaliar se essa técnica consegue resolver e melhorar a alimentação das crianças ou se é um caso mais específico, que irá exigir um acompanhamento individualizado.  

Vamos aplicar?

Se quiser se aprofundar um pouco mais nesse assunto, lá no Blog eu detalho um pouco mais essa técnica, clique aqui.

Aproveito também para lhe deixar aqui um convite: se seu filho não gosta de experimentar novos alimentos, lá no meu site tenho um e-book gratuito chamado “5 formas de ajudar seu filho a provar novos alimentos” – basta acessar e baixar.

Nele explico 5 estratégias simples que também gosto de usar no consultório e que costumam transformar os momentos das refeições em pura diversão!

Vou adorar lhe encontrar por lá.

Beijinhos,

Daniela Pane

 

 

 

Mães & Filhos

Nutri & Você
Daniela Pane
Daniela Pane Seguir

Mãe de dois pequeninos, meus grandes companheiros de aventuras na cozinha. Nutricionista pela USP, acredito que cuidar da alimentação dos nossos pequenos é dar um presente que vai durar a vida toda. Introdução Alimentar, BLW, Alimentação Infantil

Ler conteúdo completo
Indicados para você